Ode à convenção social

Dizer que menino veste azul e menina veste rosa pode ser uma mera convenção social. Mas dizer que não existe menino e que não existe menina; que o bebê nasce “neutro” e escolherá seu gênero no futuro, é mero retardo mental. Entre uma ideologia nociva que leva pais a confundirem seus filhos e escolas a confundirem seus alunos; que leva até mesmo ao uso covarde e perigoso de bloqueadores hormonais em crianças em crescimento, e uma mera convenção social estética inofensiva, eu fico com a mera convenção social.