Pedagogia corretiva

Está gerando revolta um vídeo onde “alunos” agridem e humilham um professor em plena sala de aula, no Rio de Janeiro. Os “estudantes”, “menores de idade”, arremessam objetos contra o docente, empurram, agridem, xingam, debocham, destroem patrimônio publico depredando carteiras, quadros – enfim, fazem o diabo. Tendo em vista os constantes relatos de agressão contra profissionais de educação nas escolas brasileiras, qual é a solução recomendada?

a) Tornar o ambiente em sala de aula mais atrativo para o aluno, transmitindo conteúdo através de atividades lúdicas.
b) Compreender o quadro geral em que o aluno está inserido; enxergar a violência como expressão genuína de descontentamento social.
c) Aplicar avaliações mais fáceis ou até mesmo aprovar automaticamente os alunos, para que se sintam motivados.
d) Dar um soco na boca do meliante, colocá-lo ajoelhado no milho e dar com uma vara de marmelo na nuca dele.

Gabarito: Letra D. Personalidades agressivas são potencializadas quando enxergam no outro fragilidade e condescendência. Sofrendo na pele o que causa a outrem, e por temor de novas represálias, o meliante travestido de aluno terá um comportamento minimamente civilizado.

Miceli 24.171

Eu vivi para ver uma apresentação em campanha presidencial parecer uma apresentação em sala de bate-papo de internet: “Sou fulana, mulher, negra, periférica, tenho um metro e meio, 20 Kg, só apareço em público de 4 em 4 anos” etc., etc. Digam-me o quão ridículo é isso, meus amigos? Apresentar como credencial o seu sexo, a sua cor, e sua condição social. Imagino-me no palanque: “Chamo-me Rodrigo Miceli, sou Homem, Branco, periférico…” E claro, com todo o vitimismo: “Meu avô veio da Itália só com a roupa do corpo, sem nem saber falar português…’Seu Guido! Seu Guido!’ chamavam, e ele não entendia…” (neste momento tenho lágrima nos olhos. Continuo) “Passou fome, criou três filhos com muita dificuldade. Perdeu tudo numa enchente! Mas com muita luta, chegamos até aqui.”

(Demo Danado) – Bravo! Mas ficou faltando trabalhar a opção sexual…
– Sou Het…
(Demo Danado) – Você é bobo?! Ser Hétero não dá voto!
– Sou Gay. Periférico. Branco…
(Demo Danado) – Não repete que é branco que pega mal! Se desculpa por ser branco…
– Desculpem-me por ser branco!
(Demo Danado) – Já ganhou!

-> Miceli 24.171 – O Europeu periférico gay do bem que é branco mas você confia <-

Conceitos e pré-conceitos

Longe de mim ser o advogado do diabo…

(Demo Danado) – Até por que, fui criado para isso.
– Sim.

Mas vejam vocês: Deixados a si mesmos, em suas “reservas de proteção”, indígenas vivem praticamente da mesma forma que viviam 500 anos atrás. Aqueles que não foram expostos ao “contato”, parecem não demosntrar nenhuma preocupação com conceitos como “desenvolvimento” e “produção”; o que não é bom nem ruim, apenas uma caracteristica; uma opção. Repito: as tribos isoladas, vivem da mesma forma há 500 anos.

Tendo em vista este cenário, um sujeito que os caracteriza-se como “indolentes”, estaria fazendo uma provocação, sendo “racista”, ou apenas estaria descrevendo uma situação tal como ela se apresenta? Dizer que o indigena “trabalha apenas para sobrevivência e nada mais”, é uma afronta, ou um dado da Realidade? É um “pré-conceito”, ou um conceito formado pela experiência? Reflexões…

(Demo Danado) – Claramente é um discurso fascista, racista e intolerante…

Genialidade diplomada

“Prisões são campos de recrutamento para o crime organizado”, diz especialista. E a solução que o especialista propõe? Acabar com o crime organizado? Não. Acabar com as prisões… Com este tipo de abordagem genial, onde é que nós vamos parar, meus amigos?

(Demo Danado) – A melhor campanha que eu fiz no Brasil foi “Educação para todos” Só diplomados geniais…