Recite

Belas donzelas e caros consortes, quem sou eu para ensinar-lhes alguma coisa? No entanto, muitos me perguntam sobre autores, obras ou métodos para tomar gosto pela leitura e ampliar seu vocabulário, sua cultura geral, etc., etc. Há muitos professores de verdade por aí, com uma cultura muito maior do que a minha, que poderão ser úteis nesta seara (Olavo de Carvalho, Rodrigo Gurgel, etc. etc.) No entanto, se querem uma dica particular de algo que eu mesmo faço, eu sugeriria o seguinte: recite. Leia em voz alta, GRAVE o que você está lendo, e depois apenas OUÇA o que você gravou.

Vocês sabiam que textos fundamentais que edificaram civilizações não eram simplesmente lidos ou ditos mas sim cantados? A Bíblia, por exemplo (os cinco rolos do antigo testamento), em seu original em Hebraico, não é simplesmente lida, mas sim cantada. A famosa obra “Ilíada”, de Homero – o pilar da cultura grega e por extensão da cultura ocidental – era igualmente cantada, não simplesmente lida. Isto porque todas as tradições eram passadas de forma ORAL, e textos rimados e cantados eram mais facilmente memorizados. As pessoas nestas épocas sabiam livros inteiros de cor!

Quando você lê em voz alta, você traz a palavra à vida. E quando você ouve o que leu, a memorização auditiva é muito superior à memorização visual (apenas de leitura) Eu, particularmente, gravei TODA a Ilíada de Homero na minha voz, TODA a Torá (os cincos primeiros livros do Antigo Testamento), TODO evangelho de Mateus, e mais alguns textos literários não sacros, como sonetos de Shakespeare e “O Paraíso Perdido” de John Milton. Deste modo, você não precisa “consultar” marcações nos livros ou ler “resumos”; a palavra viva está na sua memória pronta para vir à tona, assim que haja alguma situação que a evoque. Uso muitos ditos de Jesus nos textos não por que os vá procurá-los na Bíblia para ornamentar ideias, mas sim porque a frase me vem imediatamente à cabeça quando esbarro com uma situação que a evoque; é um processo instintivo e muito natural.

É claro que nem todos têm o tempo e a paciência de gravar obras inteiras com a própria voz e depois ouvi-las, mas tentem fazer isso ao menos com suas passagens favoritas, com frases fortes, com máximas do seu pensador predileto. Você vai se assustar com que naturalidade irá incorporar palavras e ideias. Aquela sensação de ler um livro inteiro de 400 páginas e não ter absorvido praticamente nada dificilmente irá se repetir. A palavra falada tem um poder completamente diferente. Se tenho de dar algum conselho, é este.

Publicado por

O Lenho Verde

"Aquele que fala por si mesmo está buscando o seu próprio prestígio. Mas quem busca o prestígio daquele que o enviou é verdadeiro, e nele não há falsidade."

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s