Elixir da confusão

Como todos sabem, não bebo. Tive alguns maus exemplos familiares que me afastaram desse mal. Mas há momentos em que eu penso: “E se eu bebesse?” Estava me fazendo esta pergunta 30 minutos atrás… os vizinhos estavam fazendo uma festa de família regada a muito álcool, e até 30 minutos atrás, estavam todos se amando. Riam alto, brindavam, e eu pensando: “Nossa, eles são muito felizes mesmo” “beber deve ser muito divertido” “vou aproveitar a vitória de Jair Bolsonaro no domingo pra beber”, etc., etc. Súbito, começam acusações: “Você não vai falar mal de fulano na minha casa!” “Repete!” “Você é um frouxo!” Vou puxar o revolver!” Às 20h mal se falavam, às 23:30 se amavam, às 23:45 estavam todos se matando. Daí a policia chegou e acabou com a “festa”. Ê droguinha maldita…

Publicado por

O Lenho Verde

"Aquele que fala por si mesmo está buscando o seu próprio prestígio. Mas quem busca o prestígio daquele que o enviou é verdadeiro, e nele não há falsidade."

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s