Fracassos Revolucionários

Uma equipe de futebol brasileira teve de ir à Venezuela disputar uma partida contra uma equipe de futebol local. Ao chegarem no país do revolucionário Nicolas Maduro, o espanto: Havia gente comendo ratos pelas ruas. Um jogador deu o testemunho, transtornado, o que gerou comoção nacional. Súbito, um jornalista esportivo de uma grande emissora – lembrem-se: não há como ocupar um cargo na grande mídia sem ser Esquerdista até o ultimo fio de cabelo – saiu em defesa do Regime autoritário Venezuelano. Disse que as pessoas estão indignadas com uma pessoa comendo um rato, não porque a pessoa estivesse comendo um rato, mas porque estava comendo um rato num regime socialista. Vocês entendem? Ele “denuncia” uma “indignação seletiva”, e pergunta: “Por que vocês não ficam indignados com o que acontece na Síria, com a seca no nordeste, e com a fome na África?” Então, nós vamos responder a pergunta dele.

A crise humanitária na Síria se dá pela convulsão no mundo islâmico, que apesar de sempre ter sido um saco de gatos, piorou muito quando Sayyid al-Qutb Ibrahim, com seu livro “À Sombra do Alcorão”, introduziu ELEMENTOS IDEOLOGICOS REVOLUCIONARIOS na interpretação Corânica. Desde então, o Islã degringolou em embates politico/ideológicos intermináveis. Já a seca do nordeste e a fome da África são problemas de origens semelhantes: advém da miséria causada por regimes socialistas, pouco interessados e incapazes de tirar seus habitantes da miséria. Israel, única democracia no Oriente Médio, onde a livre empresa e a livre iniciativa são respeitadas, goza da prosperidade capitalista e transforma uma terra ínfima e inóspita num paraíso verde, regado à água abundante, embora sua Geografia e as chuvas escassas não contribuam em NADA para isso. Tudo pura tecnologia e inovação.

Então, meus amigos, seria bom para o “repórter” esquerdista se contabilizássemos “apenas” a crise na Venezuela. Mas ele quis incluir também a seca no nordeste, a fome na África, e a guerra na Síria para o hall de fracassos revolucionários. Há vezes em que ficar calado é muito melhor (na maioria das vezes, na verdade)

Publicado por

O Lenho Verde

"Aquele que fala por si mesmo está buscando o seu próprio prestígio. Mas quem busca o prestígio daquele que o enviou é verdadeiro, e nele não há falsidade."

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s