O fascínio do empoderamento

John Lennon dizia que todo poder emana do povo, e tudo que a Esquerda quer é conscientizá-lo disso. Dito de outro modo: A Esquerda quer “empoderar” o povo; isto e nada mais. Daí nós vimos Joseph Stalin “empoderando” milhares de Ucranianos com uma fome criminosa que matou alguns milhões deles. Vimos Mao Tse-Tung não fazendo muito diferente na China com o “grande salto para frente”, em que milhões de chineses ficaram para trás. E assim no Vietnã, Camboja, Cuba, as da moda Coreia do Norte e Venezuela, e por aí vai. Isto, segundo John Lennon, é o “empoderamento” do povo, sonhado e praticado pelos Esquerdos.

Já que o termo se mostra por demais magnético e desejado nos dias atuais, vamos a uma breve avaliação do mesmo termo em outro âmbito, como por exemplo, o “empoderamento feminino”. Com ele, vimos que a mulher adquiriu o “poder” de ter inúmeros relacionamentos antes do casamento, através do “sexo livre”, o que faz com que homens gozem livremente desta “liberdade” sem enxergar a menor necessidade de um compromisso (há mulher que reclame da dificuldade de encontrar homem que se comprometa. Por que será?) Na eventualidade do “sexo livre” provocar “resultados indesejados”, a mulher adquiriu o “poder” de matar o próprio filho através de processos comemorados de aborto; hoje visto como “direito adquirido da mulher” e simbolo de “independência feminina” – “seu corpo, suas regras”. Se depois de tudo isso – e por um milagre dos Céus – ela casar, a mulher adquiriu o “poder” de ter uma jornada dupla de trabalho (em casa e na rua), e se toda esta jornada exaustiva fazê-la menos atraente aos olhos do marido, ela adquiriu o “poder” de ser chutada porta afora pela “facilitação do divórcio”, que é “um grande avanço e uma grande liberdade para a mulher”

Tanto no prisma macro, politico, quanto no micro, das “liberdades individuais”, vimos que “empoderamento” é um termo fascinante, não?

Publicado por

O Lenho Verde

"Aquele que fala por si mesmo está buscando o seu próprio prestígio. Mas quem busca o prestígio daquele que o enviou é verdadeiro, e nele não há falsidade."

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s