Construindo a própria vontade

A vontade não se improvisa. As pessoas mais bem-sucedidas em suas respectivas áreas, sejam elas quais forem, têm uma coisa em comum: o controle de suas vontade através do hábito. Ilude-se aquele que pensa que seja “espontâneo” quando faz simplesmente “o que dá vontade”, sem planejamentos anteriores. O que acontece é que outros fazem este planejamento por você, e você apenas adota-os inconscientemente. Uma maciça campanha publicitária por um evento te deixará com vontade de comparecer a este evento. Uma maciça campanha publicitária na TV te deixará com vontade de comer isto ou aquilo, ou vestir isto ou aquilo. As vontades são “incutidas”, “trabalhadas”, e portanto, de modo algum “espontâneas”. Tudo o que você pode fazer é escolher entre as suas próprias vontades, “incutidas e trabalhadas” por você mesmo através de hábitos, ou consumir as vontades oferecida por outros. A diferença é que no primeiro caso você se dedicará a algo de forma consciente e linear, continua, podendo ir portanto mais longe e sendo de fato você mesmo. No segundo caso você é empurrado em direções opostas, inconscientemente, e não sai do lugar.

Publicado por

O Lenho Verde

"Aquele que fala por si mesmo está buscando o seu próprio prestígio. Mas quem busca o prestígio daquele que o enviou é verdadeiro, e nele não há falsidade."

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s